Arquivo da categoria: TEATRO | THEATRE

6º Festival Ofélia 2017

 

 

 

 

 

 

 


Anúncios

Docente do Curso de Teatro Guilherme Mendonça apresenta “Um pássaro é mais do que a sua jaula” na Sala Estúdio do Teatro da Rainha | 21h30

“Um pássaro é mais do que a sua jaula” na Sala Estúdio do Teatro da Rainha | 21h30

Uma revisitação dramática da História política recente de Angola a partir da experiência do cárcere de Adolfo Maria, um histórico da luta pela independência.

“— Que queres beber Adolfo? — perguntou-me o meu pai; do convés olhei a baía de Luanda com uma garrafa de gasosa estrangeira na mão. Dali podia ver, quase em frente a mim, a Casa de Reclusão militar, onde anos mais tarde ficaria preso, a ilha de Luanda, as palmeiras da marginal e lá no alto o Liceu Salvador Correia.”
Sala Estúdio do Teatro da Rainha
8 de Dezembro | 21h30
Maiores de 12 anos // duração 60m
Bilhetes de 4,00 a 7,50 Euros

UM PÁSSARO É MAIS DO QUE A SUA JAULA/ GUILHERME MENDONÇAsem-titulo

CCB | Árida, nova criação de Maria Ramos docente do Curso de teatro da ESAD.CR , 24 e 25 de novembro, às 21h, na Sala de Ensaio

https://www.ccb.pt/Default/pt/Programacao/Danca?A=802

Árida, nova criação de Maria Ramos, surge na continuidade do trabalho coreográfico Something Still Uncaptured, ambos em colaboração com a designer de luz Vinny Jones.
Na peça anterior, trabalhamos a partir da ideia de contenção e adensamento do espaço. Chamamos-lhe ‘paisagem-em-ação’. 
Neste trabalho, continuamos a desenvolver a noção de ‘paisagem-em-ação’, mas explorando a noção de aridez, vastidão e expansão do espaço cénico. Os corpos dos  intérpretes, colocados num ambiente árido, exposto, ofuscante, extremo, não assumirão o papel principal. Os seus corpos, no caminho do som, do vento e da luz, serão como obstáculos em função dos quais o espaço se agita, ressoando, fazendo atrito, moldando-se-lhes, desviando-se… 
 Interessa-nos trazer para o palco as agitações do mundo natural, onde o pulsar do ser humano existe como existe o pulsar de outros elementos naturais: um planalto inóspito, uma escarpa a romper a terra… Num palco árido, mas não pobre, estabelece-se uma analogia entre esta visão artística e as regiões áridas do planeta.

Direcção Artística e Coreografia Maria Ramos
Design de Luz e Espaço Cénico Vinny Jones
Design de Som Francisco Salgado
Interpretação Marta Cerqueira
Direcção técnica Mário Bessa
Acompanhamento artístico Martinho R. Fernandes
Coprodução Teatro Cine Torres Vedras; Teatro Municipal do Porto – Rivoli / Campo Alegre; Centro Cultural de Belém
Parcerias Festival Materiais Diversos
Residências artísticas Festival Materiais Diversos; Teatro Municipal Campo Alegre; EIRA – produção e realização de espectáculos; Companhia Olga Roriz
Apoio regular à pesquisa coreográfica Forum Dança
Espaço de ensaio ACCCA; CRIA-ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa
Apoio à divulgação Embaixada do Reino dos Países Baixos em Lisboa; Embaixada da Austrália em Lisboa, CRIA – festival Olhares do Mediterrâneo
Apoio financeiro Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura – Direcção Geral das Artes
Gestão financeira e apoio à produção José Luís Ferreira  / Antunes Fidalgo Unipessoal
Agradecimentos Benedetta Maxia, Davide Costa, Joana Martins, Jorge Soares, Mário Verino, Patrícia André, Simão Costa, Sofia Matos e a todos os que participaram nos Laboratórios Coreográficos leccionados ao longo do projecto, particularmente, Andrea Brandão, Daniel Gamito Marques, Dina Costa, Filipa Correia, Filipa Leite, Marco Nobre, Nuno Paixão, Patrícia Quirós, Rui Dias e Virgílio Beatriz.


Co-produção | 
Teatro Municipal do Porto, Centro Cultural de Belém e Teatro Cine Torres Vedras